Ano Novo, hora de conhecer o Antigo Observatório de São Paulo e o Planetário do Ibirapuera

Conjunto do observatório do Parque do Estado/IAG-USP

Conjunto do observatório do Parque do Estado/IAG-USP

A celebração do Ano Novo é comum a diversas culturas ao redor do mundo desde a Antiguidade. Foi pela necessidade de contar a passagem do tempo e programar suas atividades que os homens criaram os primeiros calendários.

No calendário cristão, também chamado Calendário Juliano, a passagem de um ano para o outro é marcada pelo final do ciclo de 365 dias (mais 5 horas, 48 minutos e 47 segundos ajustados com a adição de um dia nos chamados anos bissextos), período no qual a Terra completa uma volta em torno do Sol.

Budistas, chineses, judeus e hindus adotam o calendário lunissolar, onde os meses são regidos pelas fases da lua, e os anos, pelo ciclo solar. Já os muçulmanos adotam um calendário estritamente lunar.

O que há em comum aos calendários é a observação astrológica dos ciclos ora do Sol, ora da Lua, ora de ambos para a definição de semanas, meses e anos.

Se o homem já havia criado sistemas de medição do tempo com calendários feitos de metal desde a Antiguidade, foi Galileu Galilei (1564-1642) quem primeiro usou um instrumento óptico, o telescópio, para observar os astros. Mais tarde, o matemático e físico inglês Isaac Newton (1642-1727) substituiu as lentes dos telescópios por espelhos e reduziu a distorção da imagem.

O primeiro observatório astronômico brasileiro (e do Hemisfério Sul) foi construído em Recife em 1639, pelos holandeses. Em 1730, os jesuítas instalaram um observatório no Morro do Castelo, na cidade do Rio de Janeiro. Poucos anos após Independência, em 1827, D. Pedro I assinou o ato de criação do Imperial Observatório do Rio de Janeiro.

Antigo Observatório de São Paulo foi inaugurado em 30 de abril de 1912Ficava na avenida Paulista, ao lado de onde é hoje o Masp. Era a sede da Diretoria do Serviço Meteorológico e Astronômico do Estado de São Paulo, responsável pela medição da hora oficial, além de realizar estudos de física solar, magnetismo terrestre e sismologia.

Devido ao crescimento da cidade, a avenida Paulista começou a ter uma movimentação maior de veículos e pessoas, dificultando as atividades do observatório. Em 1941, ele foi transferido para a Barra Funda, com projeto em Art Déco do astrônomo Alypio Leme de Oliveira. Por sua importância histórica no desenvolvimento da ciência de São Paulo, o observatório foi protegido no conjunto do Parque do Estado, tombado pelo Conpresp.

Vista aérea do antigo observatório, ainda localizado na avenida Paulista, destacado na imagem/Estação IAG

 

projeto-observatorio-760x1024
Planta do Observatório de São Paulo, projetado por Alypio Leme de Oliveira/Parque CienTec

O primeiro planetário do Brasil, o Planetário do Parque Ibirapuera (Planetário Professor Aristóteles Orsini), foi inaugurado em 1957 e batizado com o nome do médico, físico e professor universitário responsável pela fundação da Associação de Amadores de Astronomia de São Paulo, em 1949. O projeto, moderno, foi elaborado em coautoria pelos arquitetos Eduardo Corona, Roberto Tibau e Antonio Pitombo, dentro do pioneiro programa de modernização e descentralização dos equipamentos de ensino da capital paulista, o Convênio Escolar.

Em 1992, o planetário foi tombado pelo Condephaat, e em 1994, pelo Conpresp. No ano de 2006 passou por uma reforma, quando ganhou equipamentos novos, mantendo sua importância como polo de educação, cultura e entretenimento. Diferente dos observatórios, que possuem fins científicos, os planetários são equipamentos educativos.

Planetário Professor Aristóteles Orsini, no Ibirapuera/Rodrigo Soldon

SERVIÇO

Antigo Observatório de São Paulo
Endereço: 
Av. Miguel Estéfano, 4200 – Vila Agua Funda, São Paulo

Horário de funcionamento: No mês de janeiro de segunda à sábado, das 9h às 16h. A partir de fevereiro apenas aos sábados, das 10h às 16h. Entrada gratuita, não precisa de agendamento.

Planetário do Parque Ibirapuera (Planetário Professor Aristóteles Orsini)
Endereço:  Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Portão 3

Horário de funcionamento: Quarta a domingo, das 10h às 18h. O planetário oferece 4 sessões diárias e gratuitas às 10h, 12h, 15h e 17h.