Os “looks” de Diana, a caçadora do Vale do Anhangabaú

diana_destaque

por Claudia Ratti

Em uma tarde ensolarada, Diana, moradora do Vale do Anhangabaú, foi vista descansando embaixo de uma árvore, com um vestidinho preto curto de um ombro só, para enfrentar o calor da cidade. Em outras ocasiões, maquiagem e colares complementavam os trajes da escultura em bronze. Mas não é Diana quem define seu “look”. Os acessórios e as roupas são escolhidos pelos munícipes que passam pelo local e fazem intervenções na obra “Diana, a caçadora”.

A escultura é a representação de uma mulher forte, guerreira e protetora da natureza de acordo com a mitologia grega. A obra foi executada pelo Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo e é uma reprodução da original de Jean Antoine Houdon, que está no Museu do Louvre.

Diana faz parte de uma série de ações que Francisco Prestes Maia realizou em sua gestão como prefeito de São Paulo, entre 1938 e 1945, onde implantou várias esculturas e monumentos em espaços públicos. De sua instalação até hoje, a escultura sofreu algumas alterações. Em 1984, furtaram o dedo indicador de Diana e, em 2001, cortaram e levaram um dos braços. No primeiro restauro, em 1991, o dedo foi recolocado. O projeto para o próximo restauro inclui a recolocação do braço.

Existem outras esculturas de Diana em três lugares da cidade: no Teatro Municipal, no parque Ibirapuera e no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo.

A partir de hoje essa figura curiosa do Vale do Anhangabaú passa a fazer parte do nosso blog, apresentando curiosidades e informações sobre o patrimônio histórico de São Paulo.

diana_end
Diana, no Vale do Anhangabaú/DPH