Mauro Sanches, técnico da seção de Projetos, Restauro e Conservação

QS-Mauro2

Mauro Tadeu Sanches é técnico da Seção de Projetos, Restauro e Conservação do DPH, onde trabalha há 30 anos. O arquiteto é graduado pela FAU/USP (1982) e começou a atuar no Departamento em 1986. Entre 2008 e 2014, foi o chefe da seção.

Mauro analisa projetos de intervenção (quando o projeto prevê um anexo contemporâneo ao imóvel antigo) e restauro de edifícios preservados da cidade de São Paulo de acordo com premissas da preservação de patrimônio histórico e com o que foi determinado no processo de tombamento. Quando se trata de intervenções, são levadas em considerações as interferências que a proposta pode ter na leitura, visibilidade e na ambiência do imóvel. No caso de restauro, examinam-se as técnicas e materiais a serem empregados.

Também faz parte do trabalho orientar a elaboração do projeto de intervenção/restauro em caso de imóveis maiores ou de maior importância. No momento, Mauro acompanha os projetos para intervenções na Vila Itororó e no antigo Hospital Matarazzo.

Eventualmente, os técnicos da seção elaboram projetos de restauro de edifícios tombados pertencentes à prefeitura, como a Casa do Administrador, no Parque da Luz, e o Museu do Teatro Municipal, nos baixos do Viaduto do Chá.

Em 2007, Mauro fez um curso sobre a conservação e gestão de imóveis históricos na Suécia. A primeira fase do curso foi na Universidade de Lund, com o foco na manutenção de edifícios históricos. Para a segunda fase, no Chile, foi desenvolvido um plano e programa de manutenção para o Sítio da Ressaca, imóvel do Museu da Cidade de São Paulo.

Qual é o seu patrimônio ou monumento preferido da cidade de São Paulo?
O Sesc Pompéia, porque é o exemplo de uma intervenção contemporânea bem solucionada em imóvel histórico, realizada com critérios claros que mostram a relação entre o novo e o antigo.

De qual bairro você mais gosta?
Gosto da região de Pinheiros e Vila Madalena pelo perfil cultural do bairro, pelas referências artísticas e facilidade de acesso a outras partes da cidade.

Onde você se diverte?
Costumo me divertir em shows, festivais e indo ao cinema.

Qual é a sua primeira memória da cidade?
Minha primeira memória é brincar na rua dos Alpes, no bairro do Cambuci.

O que você quer para São Paulo daqui a 10 anos?
Quero que a cidade encontre soluções satisfatórias para mobilidade e acolhimento ao uso do espaço público.